Já é beata a Madre Esperança, espanhola que o demônio atacava com golpes e lançando-lhe objetos.

ReligionenLibertad.com

Morreu em 1983, fundou a família do Amor Misericordioso
Já é beata a Madre Esperança, espanhola que o demônio atacava com golpes e lançando-lhe objetos

Ya es beata Madre Esperanza, española a la que el demonio atacaba con golpes y arrojándole objetos

Madre Esperança, já anciã, entre panelas e fogões

Aciprensa – 5 junho 2014 – religionenlibertad.com

No imponente Santuário do Amor Misericordioso em Collevalenza, Todi (Itália), o Prefeito da Congregação para as causas dos Santos, Cardeal Angelo Amato, presidiu a cerimônia de beatificação da religiosa espanhola, Madre Esperança de Jesus, fundadora das congregações das Escravas e Filhos do Amor Misericordioso (www.amormisericordioso.org).

No sábado 31 de maio, milhares de pessoas foram ao Santuário que a Madre Esperança construiu confiando na Divina Providência e obedecendo a vontade de Deus, depois que lhe inspirasse encontrar água na colina onde se sabia que não havia. A religiosa cavou um poço de 122 metros de profundidade onde brotou água e o Senhor Jesus lhe disse: “esta é a água de minha misericórdia”.

Ali construiu piscinas para que os enfermos possam banhar-se pedindo a cura tanto física como a da alma. Também há uma fonte onde podem tomar a água. Perto das piscinas e da fonte se lê uma expressão da religiosa: “Usa esta água com fe e amor, é certo que te servirá de refrigério para o corpo e de saúde para a alma”.

Como mostra o L’Osservatore Romano, na homilia da Missa de beatificação, o Cardeal Amato recordou que a Madre Esperança expressou em várias ocasiões que “a santidade consiste em viver em Jesus” e querer santificar-se “custe o que custar”.

Explicou também que a Beata buscava “cumprir a vontade de Deus, confiar em sua Providência e amar o Crucificado, símbolo do amor misericordioso”.

[Pode-se ver a cerimônia de beatificação de 2 horas, transmitida em espanhol no YouTube pelo Popular TV Murcia AQUI]

A Madre Esperança tinha uma “fé ilimitada” com a qual “atravessou as escuras galerias do mal, da incompreensão e da humilhação, saindo purificada e fortalecida em seus propósitos”, indicou o Purpurado.

O Papa Francisco em sua carta apostólica por ocasião da beatificação destacou três méritos da Beata, como o de ser fundadora de duas congregações de vida consagrada, e ser “testemunha da mansidão de Deus sobretudo para os pobres” e o terceiro mérito foi ser “promotora da santidade do clero diocesano”.

A Madre Esperança tinha experiências místicas e também em várias oportunidades sofria ataques do demônio a quem ela chamava “o tinhoso”, que incomodado por seus frutos espirituais lutava com a religiosa, a golpeava, lhe dava empurrões. Em uma ocasião lhe lançou uma garrafa térmica com água quente e em outra um livro em chamas.

O Beato João Paulo II, no mesmo ano que publicou sua Encíclica “Dives in Misericordia”, visitou o Santuário em 22 de novembro de 1981, em sua primeira visita fora do Vaticano depois do atentado que sofreu em 13 de Maio, para dar graças ao Amor Misericordioso: “Viemos em visita a este santuário porque na misericórdia de Deus somos devedores de nossa saúde”.

A Madre Esperança nasceu em Vereda do Molino, Múrcia (Espanha) em 30 de setembro de 1893, seu primeiro nome foi Maria Josefa Alhama Valera, era a mais velha de nove irmãos de uma humilde família de jornaleiros de El Siscar e viviam em uma pequena casa feita com barro.

Por sua situação de pobreza não recebeu uma educação escolar. Desde muito jovem serviu na casa de um endinheirado comerciante de Santomera, onde seus filhos lhe ensinaram a ler e escrever, a religiosa sempre recordou este gesto e era agradecida por isso.

Para a Madre Esperança, Santa Teresa do Menino Jesus era seu exemplo a seguir e continuava sua mensagem de amor misericordioso. No dia da Santa, 15 de outubre de 1914 na idade de 22 anos ingressou na vida religiosa.

Com o passar dos anos a Madre Esperança foi posta sob observação do Santo Ofício, porque se havia notado nela algumas “coisas sobrenaturais” tratando de determinar se estes fatos provinham de Deus ou não. No final se decidiu dar um voto de confiança porque tinha demonstrado sua dedicação ao Senhor e sua boa vontade.

No Natal de 1930 fundou em Madri a Congregação das Escravas do Amor Misericordioso.

Esteve marcada por muitas enfermidades das quais sarava muitas vezes sem explicação médica, mas em 8 de fevereiro de 1983 na idade de 90 anos faleceu, vítima de outra enfermidade. Seus restos mortais descansam na cripta do Santuário.

A congregação que fundou Madre Esperança se dedica ao ensino, acolhida e acompanhamento de crianças e jovens. Dão ajuda aos enfermos, anciãos, pessoas com habilidades especiais e famílias necessitadas.

A religiosa expressou em uma oportunidade que queria “ser como uma batata que desaparece debaixo da terra para dar vida a novos filhos”. Morreu num 8 de fevereiro de 1983, seus restos descansam na cripta do Santuário.

O milagre para a beatificação foi a cura de um menino alérgico a todo tipo de alimento que os médicos consideravam de caráter incurável. O milagre se produziu depois que o menino bebesse a água da fonte do Santuário de Collevalenza fazendo que seus males desapareçam.

 madre esperança

Gostou desse artigo? Comente-o com teus amigos e conhecidos:

http://religionenlibertad.com/articulo.asp?idarticulo=35948

por euvimparaquetodostenhamvida