A maioria dos que comungam não se confessam nem uma vez ao ano, denuncia o sociólogo Massimo Introvigne.

ReligionenLibertad.com

«A confissão está desaparecendo», avisa

La mayoría de los que comulgan no se confiesan ni una vez al año, denuncia el sociólogo Introvigne

A maioria dos que comungam não se confessam nem uma vez ao ano, denuncia o sociólogo Massimo Introvigne

Há uma multidão de católicos que vão à missa com assiduidade e comungam com frequência, mas que não se confessam… e isso não é bom.

P.J.G./ReL – 26 março 2014 – religionenlibertad.com

O sociólogo católico especializado em comportamento religioso Massimo Introvigne escreveu um artigo em ‘La Nuova Bussola Quotidiana’ assinalando que o debate sobre a comunhão dos divorciados que convivem maritalmente com alguém que diante de Deus e da Igreja não é seu cônjuge é um debate que tapa a questão de fundo: que milhões e milhões de católicos que vão comungar com regularidade ficam mais de um ano sem se confessar, e que é estatisticamente razoável pensar que comungam estando em pecado mortal.

Como sociólogo, Introvigne se remete aos dados de estudos sobre o tema nos Estados Unidos, Itália e em alguns países da Europa do Norte (não usa dados da Espanha nem da América Latina).

O que fazem os divorciados… e outros pecadores
“Segundo uma enquete que realizei para ‘La nuova Bussola quotidiana’, constatamos que 75% das paróquias italianas os divorciados que voltaram a casar comungam de maneira regular, sem esperar que o Sínodo, eventualmente, mude a doutrina. Na raiz desta enquete muitos leitores se puseram em contato comigo, e também vários bispos, e me confirmaram que o estudo é um retrato exato do que sucede em suas dioceses. Alguns me levaram a refletir sobre um problema mais generalizado. Os divorciados são só a ponta do iceberg; o verdadeiro problema é que a maioria das pessoas que comungam não frequentam o sacramento da Confissão”, escreve Introvigne.

 

O que a Igreja ensina
O Catecismo é claro: em seu parágrafo 1457 recorda que “todo fiel chegado à idade do uso da razão deve fielmente confessar seus pecados graves ao menos uma vez ao ano”.

“Quem tem consciência de se achar em pecado grave que não comungue o Corpo do Senhor sem ir antes à confissão sacramental”, insiste, ainda reforça “a não ser que exista um motivo grave e não tenha possibilidade de se confessar; e, neste caso, tenha presente que está obrigado a fazer um ato de contrição perfeita, que inclui o propósito de se confessar o quanto antes”.

É difícil que um católico não tenha se confessado nunca, porque no geral ao menos o fez uma vez antes da Primeira Comunhão, como pede o Catecismo: “As crianças devem ir ao sacramento da Penitência antes de receber pela primeira vez a Sagrada Comunhão”. Mas é estatísticamente comum que muitos em sua vida adulta nunca voltam ao confessionário.

 

O catecismo inclusive propõe a confissão frequente e de pecados menos graves, mesmo tradicionalmente a Igreja, remetendo-se aos ensinamentos de Santo Tomás de Aquino (e este as de Santo Agostinho) considerando que estes pecados veniais podem se remeter também com outras práticas que se realizam “com devoção”. O clássico catecismo do padre Ripalda enumerava assim essas práticas:

1. Ouvir missa com devoção.
2. Comungar dignamente.
3. Ouvir a palavra de Deus.
4. Bênção episcopal.
5. Dizer o Pai Nosso.
6. Confissão geral (“Eu confesso ante Deus e ante vós irmãos…”)
7. Água benta.
8. Pão bento ( que se abençoa na Quinta-feira Santa)
9. Golpes de peito (como os que se realizam ritualmente o rezar o ´Eu confesso…´)

O Catecismo atual assinala em seu ponto 1458 que “sem ser estritamente necessária, a confissão dos pecados veniais se recomenda vivamente pela Igreja. A confissão habitual dos pecados veniais ajuda a formar a consciência, para lutar contra as más inclinações, a se deixar curar por Cristo, a progredir na vida do Espírito. Quando se recebe com frequência, mediante este sacramento, o dom da miseriórdia do Pai, o crente se vê impulsionado a ser ele também misericordioso”.

Mas esta recomendação de “confissão habitual” e “recebimento com frequência”, e inclusive o mandamento eclesial de “se confessar ao menos uma vez ao ano” chocam com a estatística real.

Estados Unidos: quase a metade comunga sem se confessar nunca

O sociólogo italiano pega primeiro os dados dos Estados Unidos, do centro CARA da Universidade de Georgetown (cara.georgetown.edu) para falar que “entre os católicos americanos que comungam, os que se confessam pelo menos uma vez ao ano, o que não é muitoo, mas já é algo, era e 15% em 2009 e desceu para 12% em 2013”.

” 45% das pessoas que comungam nos Estados Unidos não se confessaram nunca depois de maior de idade”, acrescenta Introvigne.

“Na Europa não há estatísticas tão concretas como as de Georgetown, mas há estudos regionais na Alemanha, França e Holanda que sugerem porcentagens ainda mais baixas que os americanos. Por algumas enquetes se sabe que em áreas do Norte da Europa se confessam uma vez ao ano só 5% das pessoas que comungam. Como sucede em outros âmbitos, se poderia esperar que se salvem os países em vias de desenvolvimento, mas segundo os dados que vem do Paquistão, onde há uma Igreja de mártires viva e entusiasta, também aqui as confissões descem rapidamente”.

 

Itália: confissões nos santuários
“A Itália, segundo uma enquete de 2009, entre as pessoas que comungavam 40% ia à Confissão ao menos uma vez ao ano. Pode parecer una cifra baixa, mas é altíssima, de recorde mundial. Mas se fizermos caso de alguns dados regionais, parece que está descendo rapidamente e hoje em dia estaria ao redor de 20%”, prossegue o sociólogo.

“Certamente, há muitas confissões nos santuários, mas por outros dados resulta que na Itália comungam, cada domingo, aproximadamente cinco milhões de pessoas, e as centenas ou milhares que se confessam nos santuários não são suficientes para mudar as estatísticas”.

“A grande maioria dos católicos que comungam não se confessam. O problema é mundial, mesmo com diferenças regionais importantes. As séries históricas mostram que o declive é constante e que não pode parar nem a popularidade planetária do beato João Paulo II (1920-2005), nem a precisão teológica de Bento XVI. No que se refere ao Papa Francisco, é demasiado rápido para ter dados mais precisos, mas sempre é difícil deter estas altas ondas”, prognostica Introvigne.

Os que comungam sem se confessar

“Quase 90% dos que se põem na fila para comungar nos Estados Unidos cada domingo, 95% em certas regiões do Norte da Europa e 60 a 80% na Itália não se confessam nem sequer uma vez ao ano. Comparando as estatísticas sobre a confissão com outras, é certo que entre estes não só há divorciados tornados a casar, mas também pessoas que convivem antes e fora do matrimônio, homossexuais praticantes, médicos abortistas, políticos que votam leis imorais, maçons (excluídos da comunhão segundo a «Declaração sobre a maçonaria» de 1983, ainda vigente) e todos que quiserem. A não ser que se creia que 88% dos americanos que comungam não cometem nunca pecados graves, o que significaria um florescer de santidade que não se viu nunca na história da Igreja”.

Por vergonha humana? Ou por duvidar de Deus?
Mesmo que muitos digam que é difícil se confessar admitindo com precisão os próprios pecados diante de um sacerdote, Introvigne considera que “não é verdade que não nos confessamos devido ao nosso sentido de privacidade, para não contar nossos assuntos pessoais a um sacerdote”. O sociólogo fala sobre a grande quantidade de usuários que tem as psicoterapias, e inclusive grupos mais ou menos sectários como Cientologia, que oferecem limpar ou depurar traumas do passado, “que devem ser expostos e definidos”. E isso, apesar de ser pago.

A razão de que muitos católicos não se confessem não é a vergonha que dá admitir o pecado, mas que “já não se crê na misericórdia de Deus” e, de fato, muitos tampouco tem “consciência do pecado”.

“Os psicoterapeutas ou os da Cientologia não falam de pecado, mas de trastornos gerais ou de negatividade, coisa que se aceita mesmo que para ouvi-lo toque meter a mão na carteira, enquanto que se confrontar com o pecado incomoda porque implica que na mentalidade relativista atual, segundo a qual não existe nenhuma noção objetiva do bem e do mal, é equivocada”, assinala Introvigne.

Francisco, o Papa da Confissão
Diante disto, o Papa Francisco insiste em um magistério diário que repete, uma e outra vez, o tema da misericórdia de Deus.

 

“Se se seguir o Magistério do Papa Francisco tal como é verdadeiramente e não como o conta o jornal ‘La Repubblica’ para exaltá-lo de uma maneira suspeita e manipuladora, ou outros jornais para falar mal dele, se descobre que os rios de misericórdia que manam do costado de Cristo do que fala sempre o Pontífice não giram redondo como, segundo a Escritura, fazem os ímpios, mas desembocam em um lugar concreto: nos confessionários”.

“Quando se fizer a história de seu Magistério, o Papa Francisco emergirá como o Papa da Confissão. Fala dela todas as semanas. Em seu discurso aos párocos romanos para a Quaresma, até agora seu discurso mais longo, praticamente falou só disto. Inclusive disse que a Confissão tem prioridade entre os outros sacramentos, o que é certamente verdade, como também é a urgência em propô-la. Porque a Igreja sem confissão, simplesmente, não existe. Não existe o pecado, a misericórdia, o perdão, a Redenção”.

Sem confissão, não há Nova Evangelização
“Queremos combater a ditadura do relativismo, que o Papa falou em seu primeiro encontro com o Corpo Diplomático, assimilando-a com a pobreza espiritual, não menos grave da pobreza material? Confessemo-nos e façamos propaganda da confissão”, propõe Introvigne.

 

“Cada vez que nos pusermos na fila de um confessionário combatemos o relativismo, porque declaramos publicamente que o bem e o mal não são iguais: o bem se faz, o mal se confessa”, fala.

“Participemos com paixão nos debates sobre os divorciados que voltaram a casar. Mas o problema não são só eles. Se não se encontrar o modo de voltar a impulsionar a Confissão, nenhuma «nova evangelização» poderá salvar os homens e as mulheres de nosso tempo da solidão, da desolação e do desespero”.

E o sociólogo acaba seu artigo com uma exortação do Papa Francisco:

»E eu digo a você: se tem um peso em sua consciência, se tem vergonha por tantas coisas que cometeu, pare um pouco, não se assuste. Pense que alguém te espera porque nunca deixou de lembrar de você; e este alguém é seu Pai, é Deus que te espera. Trepa, sobe na árvore do desejo de ser perdoado como fez Zaqueu; eu te asseguro que não ficará decepcionado» (Angelus, 3-11-2013).

Leia também: O Primaz dos anglicanos recomenda a confissão católica.

Gostou desse artigo? Comente-o com teus amigos e conhecidos:
http://religionenlibertad.com/articulo.asp?idarticulo=34682

por euvimparaquetodostenhamvida