Uma atriz pornô encontrou Deus após uma vida de drogas, prostituição e tentativas de suicídio.

ReligionenLibertad.com

Brittini, ou Jenna Preysler

Uma atriz pornô encontrou Deus após uma vida de drogas, prostituição e tentativas de suicídio

JuanAntonioRuiz LC/ ReL-1 agosto2013-religionenlibertad.com

Em 2010, a revista Maxim a catalogou como uma das atrizes pornôs mais importantes do ano. E, efetivamente, Brittini -ou Jenna Preysler, como se fazia chamar profissionalmente- parecia ter tudo e gozar de muita popularidade no triste mundo do cinema para adultos. Mas o que quase ninguém imaginava era que justamente nesse ano, Brittini começou a dar uma mudança radical em sua vida; um giro inesperado que a conduziu à fé de seus avós e a uma vida autenticamente feliz.

O início de uma carreira de sucesso

Os primeiros passos na indústria pornográfica se deram em épocas muito precoces de sua vida. Concretamente, aos 18 anos, quando frequentava o Santa Barbara City College na Califórnia. Já antes tinha começado a frequentar os clubes de strippers.

E talvez por isso, quando dois homens se aproximaram e lhe perguntaram se queria trabalhar em “filmes românticos”, lhe pareceu algo não só lógico, mas necessário. Filmou seu primeiro filme pornô em Los Angeles nesse mesmo fim de semana.

«Senti-me muito amada nesse dia -comenta Brittini-. Arrumaram meu cabelo, me maquilaram, disseram que era bela e que seria uma estrela». E tudo isto contrastava com o que tinha vivido em casa até o momento: uma mãe muito agressiva verbalmente e um pai passivo. «A agência enviou minhas fotografias para uma agência de adultos… e o resto é história».

Os produtores a animaram a trabalhar duro na primeira fase de sua carreira, dada sua aparência fresca e juvenil, que a fazia parecer muito mais jovem do que realmente era. A faziam vestir-se com coletes e vestidos de colegial. No fundo, tudo isto a desgostava, mas não a impedia de trabalhar mais de 60 dias seguidos, sem descanso, gravando até duas ou três cenas diárias: «Não sabia como dizer não».

Lançada à fama

E foi então quando o sucesso chegou a sua porta. Em 2006 ganhou o segundo lugar no concurso Jenna´s American Sex Star, conduzido pela célebre atriz pornô Jenna Jameson e isso a lançou na fama. Rodou centenas de filmes -segundo suas palavras- e ganhou vários prêmios na indústria.

Não obstante, logo as consequências saíram a flutuar. Começou a se notar cansada, como se estivesse drenada por dentro: «Era como um robô ou como uma boneca Barbie de borracha. Não tinha sentimentos», relata Brittini. Debaixo da segura atriz pornô, atrás dessa cara de diabinha, acontecia uma batalha em busca de uma paz interior que lhe carcomia a alma.

Refugiou-se no álcool e nas drogas

Sua jornada começou. Primeiro se refugiou no álcool e as drogas -cocaína e heroína- para «adormecer minha dor, para poder sobreviver». Como isto não deu resultado, passou a métodos mais severos: fazia cortes no corpo e inclusive tentou se suicidar várias vezes.

«Passei muitas noites solitárias enquanto cortava os pulsos. Gastava todo meu pagamento em drogas», comenta uma emocionada Brittini.

«Já me cansei disto. Vem me buscar»

E no meio desta espiral de auto-destruição, Jenna Preysler começou a se recordar da Brittini que foi e de sua família. Concretamente, recordou seus avós. Cansada de provar de tudo, chamou desesperada a sua avó pedindo ajuda: «Eu necessito de ti, avozinha. Já me cansei disto. Vem me buscar». E voltou para casa.

Durante sua estadia com seus avós, começou a frequentar a igreja e ler a Bíblia. Devorou o livro do Gênesis. Inclusive se animou a ter algum compromisso com um jovem que conheceu na igreja.

Porém a Brittini que começava a sair a flutuar não queria deixar para trás de tudo a Jenna Preysler do cine pornô. Após um triste incidente em que seu noivo foi assassinado diante dela, sua crescente fé voltou a naufragar. Fugiu.

«Comecei de novo a tomar drogas e vieram uma vez mais as tentativas de suicídio». Cansada, decidiu bater a porta uma vez mais e começou a sair com um amigo de seu defunto noivo. Tristemente, o jovem era um lobo em pele de ovelha. A princípio, a convidou a deixar as drogas e a ler mais a Bíblia, mas «terminou sendo um cafetão e me conduziu de novo à indústria do cinema para adultos».

Vivendo entre dois mundos; um encontro

Querendo tranquilizar sua consciência, Brittini tentou viver ao mesmo tempo os dois mundos que agora conhecia. Por um lado, falava de sua fé aos seus companheiros ou em alguns dos talk shows; mas, por outro lado, seguiu filmando cenas pornô durante dois anos mais.

Quando alguém a criticava pela contradição em sua vida, ela lhes recordava o modo como Jesus tratou a Maria Madalena e lhes citava algumas passagens em que se recriminava julgar os outros. Mas, no fundo de seu coração, ela mesma o admitia: «Era um desastre. O demônio me queria de novo dentro da indústria, mas Deus não deixava de me tirar para fora. O demônio tinha uma estratégia, mas Deus tinha um plano». E esse plano se realizou, curiosamente, no momento e lugar menos esperado.

«Jesus ama as estrelas pornô»

Em uma convenção pornô, encontrou um stand da XXXChurch, um grupo cristão que envia parte de seu staff para essas convenções para aproximar esse mundo de Deus. Entre várias estratégias, presenteiam Bíblias e objetos com o lema impresso «Jesus ama as estrelas pornô». Brittini ficou impressionada com tudo isso e se aproximou para ver.

Aí conheceu Rachel Collins, uma jovem que lhe deu as boas vindas com um grande sorriso: «Trouxe café, Bíblias e brilho para os lábios. Toda ela transpirava amor e bondade. Havia um resplendor ao redor dela».

Esse encontro lhe deu as forças para abandonar definitivamente a indústria. Em novembro de 2012 rodou sua última cena de sexo. E por fim, depois de sete angustiosos anos, Jenna Preysler voltou a ser Brittini.

«Existe vida depois da pornografia»

Disposta a não voltar a vista para trás, a vida de Brittini parece desenvolver-se com normalidade. Encontrou trabalho em uma empresa de limozines e recebe um salário normal. Em algumas ocasiões vai visitar Rachel Collins e recorda com gratidão, junto dela, aquele maravilhoso primeiro encontro. Assim o disse em uma carta dirigida à XXXChurch, que depois leu em seu vídeo de testemunho para esse grupo:

«Não sei se ela tem consciência do impacto que causou em mim. Sempre foi amável e nunca me julgou; isso ajudou. Nunca havia sentido amor em minha vida e sempre busquei nos lugares equivocados. Por isso foi incrível poder falar com uma mulher tão bela como Rachel que foi capaz de me dizer que eu era sua favorita e com quem pude ter uma conversa normal e não de pornografia. Por favor, digam a ela que dou lhe graças desde o fundo de meu coração».

Outro passo importante em sua vida foi que conseguiu se reconciliar com seus pais, com quem tem agora uma relação maravilhosa e aos que acompanha regularmente na igreja. Depois de tudo, é consciente de Quem é Aquele que a levou até aqui:

«Vejo com esperança poder me despertar cada manhã. Existe vida depois da pornografia. Existe vida depois das drogas e da prostituição. Deus está vivo e trabalha. Deus está na indústria dos milagres. Por fim, encontrou o amor incondicional de Deus e nunca mais darei marcha-ré».

Gostou desse artigo? Comente-o com teus amigos e conhecidos:

http://religionenlibertad.com/articulo.asp?idarticulo=30499

 

por euvimparaquetodostenhamvida