Barbaridades ditas sobre o Purgatório.

 

Barbaridades ditas sobre o Purgatório

Escrevemos este texto como resposta às experiências que temos recebido de nossos leitores, ou vivências próprias que nos fizeram refletir sobre tão transcendental questão de nossa Igreja

É habitual que pessoas comuns nos escrevam com perguntas como esta: “Meu pároco me disse que o Purgatório não existe, que deixe de rezar por essas coisas, que é contrário à Igreja Católica”. Também é comum que se discuta entre leigos se existe ou não o Purgatório. Deixem-me iniciar este escrito dizendo que a existência do Purgatório é absolutamente pilar de nossa Fé como membros da Igreja Católica, como claramente o estabelecem os artigos 1030, 1031 e 1032 do Catecismo Oficial da Igreja Católica, fundamentado nas Sagradas Escrituras, além de séculos de tradição e dezenas de revelações de místicos e santos da Igreja sobre a devoção às Benditas Almas do Purgatório.

catecismo da igreja catolica

Por que então só encontramos gente que nega esta verdade de nossa fé? Vou lhes contar uma história pessoal que ilustra a gravidade dos erros que se difundem dentro da Igreja, não só entre leigos mas também entre alguns sacerdotes e religiosas, lamentavelmente.

Faz alguns anos que fundamos a Associação para as Benditas Almas do Purgatório, o portal http://www.benditasalmas.org

Isto o fizemos por inspiração e conselho fundamental de um santo sacerdote, amigo e conselheiro, que aumentou nossa já existente devoção pelas almas. No dia em que se colocou o portal online, eu tive uma alegria espiritual inexplicável, um gozo de alma que me fazia sentir feliz por estar colaborando em algo, ainda que fosse muito pequeno, com a Obra de Deus. Nesse mesmo dia tive uma reunião no Palácio da Nunciatura de meu país, com um grupo de trabalho do qual formava parte dentro da estrutura oficial da Igreja.

Eu me sentia abençoado por estar aí justamente nesse dia, mimado por Jesus através do abraço de Sua Igreja, tudo era perfeito. Durante uma pausa do grupo de trabalho e enquanto tomávamos café, comentei com alegria o projeto que se acabava de lançar para benefício das Benditas Almas dos defuntos. Umas senhoras, de imediato, transformaram seus rostos e com marcada agressividade me perguntaram porque me atrevia a difundir semelhantes barbaridades, se é que não sabia eu que o Purgatório não existe. Eu fiquei mudo de surpresa, e triste porque não podia crer em semelhante amostra de ignorância, dita justamente ali. Não pude responder muito, me tomaram totalmente de surpresa!

Depois compartilhei o episódio com gente boa e realmente conhecedora das coisas de nossa Igreja, e me confessaram com tristeza que havia uma corrente de erro que difundia essas ideias, negando verdades fundamentais de nossa Fé. Deus, em Sua casa, quis me mostrar esse dia que a importância de difundir Suas Verdades não se limitava à pessoas afastadas d’Ele, mas de promover a Verdade e atacar a difusão do erro, dentro de Sua própria casa também.

O Purgatório é uma verdade fundamental de nossa Fé, e Deus quer que compreendamos e abracemos a união na Comunhão dos Santos, como rezamos em cada Santa Missa onde pedimos pelas Almas de nossos defuntos. A Igreja está constituída por estes três pilares, dos que ainda peregrinam na terra, dos que purificam suas almas no Purgatório, e das almas santas que já gozam das eternas delícias no Céu. Ninguém, irmãos, nem sacerdote nem monja nem leigo, pode negar isto sem quebrar os princípios de nossa Fé.

No entanto, não é surpresa que o mundo atual tenda a negar a existência do Purgatório. Essa corrente, por outra parte, não só nega o Purgatório, também nega a existência do inferno. Consequentemente, eles só veem um céu fácil de alcançar que se chega pela Infinita Misericórdia de Deus. Eles negam a Justiça Divina, negam a verdadeira Santidade, e manipulam o verdadeiro sentido da Misericórdia do Senhor. Fazem, como os políticos, das mentiras, verdade. Esses mesmos também suavizam a ideia de virtude, a tornam relativa, adaptável aos tempos modernos. Então, inferno, purgatório, virtude, pureza, jejum, penitência, oração, são todas coisas passadas de moda para eles.

Para estas correntes, é melhor falar de auto-estima, amor pela naturaleza, entender e aceitar tudo e a todos, etc. Claro que estas coisas tomadas isoladamente não estão mal, mas estão mal quando as põe no centro de nossa vida e as transforma no eixo de nosso atuar. Como dizia a canção no filme ‘O Rei Leão’, é a doutrina “Jacuna matata” (lembram?), “É uma filosofia de viver sem problemas”). À esta disciplina eu a chamaria “A teoria do crédito espiritual moderno: Goze agora, pague eternamente”.

Deus se entristece enormemente com a facilidade que o demônio encontra em semear o erro e a confusão em nossos tempos, particularmente naqueles que multiplicam o erro porque os escuta referentes às Verdades da Fé. Temos que ser fortes, devemos estar atentos e discernir aquilo que nos disse e nos ensina. Defendamos a Cátedra de Pedro como Jesus nos a legou em seus princípios fundamentais, nas Verdades do Magistério da Igreja que ninguém pode modificar.

O extraordinário Concílio Vaticano II é um belo legado para nossos tempos, porque entre muitas outras coisas nos ensina quais coisas se devem agendar e adaptar aos tempos, e que coisas se devem sustentar e aprofundar, porque são os Pilares sobre os quais está construída a Casa. Isto é assim, porque estamos no mundo, mas não somos do mundo, e assim é que devemos ser mansos como pombas mas astutos como serpentes.

Deus espera muito de nós, mãos à obra!

http://www.benditasalmas.org/interna_contenido.php?id=62

benditas almas

por euvimparaquetodostenhamvida